Segunda-feira, 16 de Abril de 2012

QUANDO ME PEDIRAM UM VIDEO E UM TEXTO SOBRE A EXPERANÇA:

.
.
.
.
.
.
.
Ando aqui há uns dias sem saber por onde ir. Não percebo exactamente por onde se começa ou como se fala disto… Tudo à nossa volta grita a chegada a um limite qualquer que parece não chegar, anúncio de chegada esse que parece não mudar ninguém. Ninguém se importa, ou todos ignoram, ou ninguém quer ser incomodado. Sabemos que a consciência global tem que evoluir, mas queremos aguentar esta ordem de prioridades até não haver outra hipótese possível. Estamos na internet, no mundo inteiro, no Facebook, escrevemos mil citações de verdades universais que esquecemos no segundo a seguir, assistimos a vídeos que nos gritam novos horizontes mas não tiramos conclusões. Vemos televisão, as noticias preocupam-nos, irritam-nos ou inspiram-nos, entristecem-nos ou comovem-nos… mas quando nos questionam, fingimos não perceber. Sabemos que o mundo é como mar onde as ondas se propagam, vemos povos a lutar por justiça, por liberdade, mas não agimos perante a nossa própria prisão: Uma prisão de valores, onde nos orientamos por metas vazias, onde vazios caminhamos, devagar, sem paixão. Esquecemos a nossa educação, a nossa cultura, a nossa essência; queremos ser outras pessoas, ter outras coisas, outro dinheiro, outra vida, outros amigos, a opinião de outros… não acreditamos no tempo, não acreditamos na persistência, não acreditamos naquilo que é nosso. Sabemos que valemos muito mas não sabemos quanto valemos, não vamos à procura de saber, não sabemos como saber, não temos paciência para aprender e ir até ao sitio onde se percebe quanto se vale. Não temos paciência para acreditar e no meio disto tudo, temos sempre “Esperança”.
    Mas que esperança é esta? Esperança de quê? De chegar onde? Para que serve? Não faltará, antes da esperança, a consciência de um fim? Um alvo profundo para apontar a seta? …é por estas razões que é tão difícil para mim escrever sobre isto nesta altura. Se há esperança? Sim, acredito que há, sempre. Mas será da certa? Olho à minha volta e cada vez mais vejo que procuramos nos sítios errados qualquer coisa que o mundo não nos pode dar, qualquer coisa imaterial, que precisamos, e nos anuncie um novo tempo, uma nova Esperança:
    A esperança que o lado bom, finalmente se sobreponha ao lado mau. A esperança que quando se escolher, se escolha bem. Esperança que a gratificação interior da honestidade se revele mais sedutora que a sujidade mascarada do desvio, que a serenidade da certeza no caminho derrote esta busca frenética e desesperada pelo sucesso. Que a publicidade do “custe o que custar” seja também para bem do outro. Que o ser Humano seja uma qualidade e nunca uma fraqueza.
    Sei que a mudança tem que começar no interior de cada um, sozinho. A esperança tem que ser de mim para mim, tenho que ser eu a mudar e a mostrar essa mudança ao próximo e ao mundo, no trabalho, em família, nos dias. Uma esperança humilde de quem é tudo o que consegue ser, sem arrependimento ou rancor. Deixemo-nos desta esperança confortável, egoísta e preguiçosa. Esperança tem que ser o momento exactamente antes da acção, esperança tem que me fazer dar o passo, o passo para um vazio de luz, o passo fruto do investimento, da perseverança, de uma fé. Para lá do cansaço o passo que tem que ser dado. O passo que se agradece de joelhos por afinal nunca estarmos sós. Não têm que ser os outros, tenho que ser eu.
publicado por Tiago Bettencourt às 18:08
link do post | comentar | ver comentários (19) | favorito
|
Terça-feira, 10 de Abril de 2012

O senhor do lado

O dia escurece e eu escureço com o dia. Esta espera de qualquer coisa que talvez não venha hoje, nem amanhã, qualquer coisa que talvez já tenha acontecido e eu não reparei… mas espero, enquanto o dia escurece, espero. Esta inquietação… Sei que é só um dia, ou dois, sei que ontem também esperei e que quando me deitei escrevi sobre isso. Mas não é ninguém nem qualquer outra coisa, é só esta espera vazia de que fujo todos os dias. Todos os dias tento não esperar, tento me entreter, ponho o radio muito alto e nas partes em que a música explode grito também, e no grito sou eu inteiro de braços esticados para o mar e a minha boca é transformada na janela desta prisão que o meu corpo se tornou. Hoje não tomei nada, por isso também não me penteei, nem pus a camisa para dentro, saí à rua a falar alto com as pessoas, é da maneira que elas olham para mim e percebem que estou aqui, forte! O meu vizinho passou por mim, eu enchi o peito e disse bem alto: Boa Tarde!! Não sei bem o que ele respondeu, mas o meu “boa tarde” foi dos melhores e mais normais que já consegui.

publicado por Tiago Bettencourt às 21:35
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Segunda-feira, 9 de Abril de 2012

...

Normalmente a noite sabe mais coisas do que aquelas que nos diz. Oferece-nos no entanto aquela confiança de quem sabe tudo e isso é bom para os mais desatentos. Os mais desatentos são mais felizes à noite porque acham que o que a noite diz é tudo o que ela sabe, mas não é, ela sabe mais coisas do que nós, coisas que não diz.

publicado por Tiago Bettencourt às 19:49
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Terça-feira, 13 de Dezembro de 2011

"TIAGO NA TOCA e os poetas"

.
.
.
.
.
.
.

 

 

 

Tiago na toca é um projecto à parte. Não é um disco, ou um livro, ou um personagem. É apenas o nome que dei ao conjunto de experiências que faço por intuição ou acaso, separadas dos meus discos de carreira: gravações independentes, propostas que aceito, desafios a que me proponho criativamente como exercícios, produções low fi sem o dedo polidor da produção dos dias que correm. A conceito será o abrir de uma janela mais pessoal e directa para dentro de “minha casa”. Através de pequenas edições ou apenas gravações postas na internet, vou mostrando os “out takes” do tempo que corre entre CD´s.

No fundo gostava que este projecto se caracterizasse por não ter qualquer definição. Será o que for, nas alturas em que acontecer, como tiver que acontecer.

 
Este “Tiago na Toca e os poetas” é um conjunto de poemas que musiquei juntamente com algumas versões que gravei no verão de 2008, entre os meus álbuns “O Jardim” e “Em Fuga”.  A ideia foi despoletada por um poema que ouvi cantado pelo Camané chamado “o lenço”, o qual musiquei de novo e me trouxe a ideia de fazer todo um álbum de palavras que não eram minhas. Assim, comecei a minha pesquisa pelos poetas que me fizeram começar as escrever. Poetas antigos, poetas também do fado que tanto me moldou. O desafio de desvendar emoções, de lhes dar sons, harmonias, novas roupagens... e para isto usar o espaço, a captação descomprometida, o improviso, o instinto. As gravações foram feitas na sua maioria em minha casa, com um ou no máximo dois microfones. Convidei pessoas que admiro e músicos com quem gosto de tocar. Sem ensaios, foi surgindo um dos projectos mais profundos que gravei, pelas cumplicidade, pela naturalidade das participações, pela simpatia de quem me visitou. Este álbum não é para ser gritado e vendido à porta das pessoas. É um álbum discreto, sereno, como um segredo.

 
Nasceu depois a ideia de fazer um cd/livro que materializasse o projecto de forma especial. Conheci então algures por Lisboa o Mário Belém cujo trabalho me fascinou e quem acabei por convidar para entrar nesta aventura. Juntos fomos percebendo de que forma poderia ser feito este objecto, fomos visitar alfarrabistas, fui buscar edições antigas de livros de poemas que tinha cá por casa. Tudo o resto foi o Mário e todo o seu talento. Podem saber mais sobre o seu processo criativo no site dele que vos convido desde já a visitar www.mariobelem.com  . O Tiago na toca deixou de ser apenas um álbum de musica e passou a ser um objecto único, limitado, especial.

Recebi ontem as primeiras edições e fiquei comovido com cada pormenor: desde o papel, ao toque, ao cheiro, desde as ilustrações até ao pequeno envelope que contém o CD, tudo perfeito. Cada poema está acompanhado de um texto escrito por mim com o relato de cada gravação. O meu pai escreveu um prefácio. Este projecto é fruto da simpatia, dedicação e inpiração de muita gente e a todos estou grato.

 

Assim, embora com 2 anos e tal de atraso, o disco ficou pronto. 
Espero que gostem, espero que queriam este "Tiago na Toca e os Poetas" em vossa casa.


Todo o lucro das vendas irá reverter para a associação Ajuda-me a Ajudar: http://ajudameaajudar.org/



Dia 18 de Dezembro está nas lojas! Quem puder, tente não piratear sff...

 

 

Aqui vai o alinhamento e os convidados:

 

 

 

 

 

 

 Tiago Bettencourt

 

 

 

 

publicado por Tiago Bettencourt às 19:35
link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito
|
Domingo, 23 de Janeiro de 2011

Sobre a apatia:

 

 

Há este vazio gigante nas pessoas, cada vez mais, cada vez mais se vê à vista desarmada, um vazio gigante, interior, dentro de toda a gente, dentro de quase toda a gente. Não é da crise, não é do tempo, não é do principio do ano... é tudo junto, é o mundo inteiro a ser demais, a ser demasiado falso para a nossa fraqueza, para a parte humana de nós. Por maior que toda a maldade humana natural seja, esta mentira em massa em que nos enterramos é demais para nós, todo este egoísmo pesa-nos, perde-nos, corrói-nos. Como um mundo expele a própria matéria, estamos fartos de nós, dos truques e meias verdades, da ignorância, da preguiça, da ganância, dos trabalhos, das carreiras, de tentar mostrar que somos qualquer coisa, de haver problema de não ser nada, ainda, de não haver paz, nunca haver paz, do dinheiro, de nos esquecermos do nosso principio, antes de nós, antes desta selva, antes deste lixo que nos rodeia, todos estes aparelhos e construções, destas roupas e protecções, que já existimos fora deste mundo, ou desta guerra de dois mundos, o interior e o exterior em que o exterior está claramente a ganhar e a rir-se nas nossas caras desesperadas... não nos lembramos que não precisávamos realmente de muito para efectivamente nos sentirmos felizes...

 

 

 

 

Eu esperei

mas o dia não se fez melhor

e o sujo não se quis limpar,

inventou mais flores em meu redor

como se eu não fosse olhar!

Enfeitou as ruas para cobrir

terra seca de não semear

deram-me água turva a beber

dizem cura e força e solução

como se eu não fosse olhar!

 

Eu esperei

mas o fumo não saiu da estrada

Arde o sonho em troca de nada

Dizem festa, mas é solidão

como se eu não fosse olhar!

A mentira não se fez verdade

e a justiça não se fez mulher

A revolta não se fez vontade

Braços novos sem educação

sangue velho chora de saudade!

 

Eu esperei

dizem luta mas não há destino

dão-me luzes mas não é caminho

dizem corre mas não é batalha

como quem não quer mudar!

Esta corda não nos sai das mãos

esta lama não nos  sai do chão

esta venda não deixa alcançar.

cantam “armas” mas não é amor

mão no peito mas não é amar

fato justo mas sem lealdade

cavaleiro mas já sem moral

braços sujos que se vão esconder

braços fracos não são de lutar

braços baixos não se querem ver

como se eu não fosse olhar!

 

Eu esperei

pelo tempo transparente em nós

pelo fruto puro de escolher

pela força feita de alegria

mas o povo dorme na ilusão!

e a tristeza é forma de sinal

Liberdade pode ser prisão...

Meu Deus, livra-nos do mal

e acorda Portugal...

 

 

 

 

 

 

publicado por Tiago Bettencourt às 01:13
link do post | comentar | ver comentários (23) | favorito
|
Terça-feira, 13 de Julho de 2010

silêncio

 

 

 

 

 

 

Há uma altura em que deixamos de ser poetas. Não por falta de inspiração ou preguiça, mas por haver palavras a mais a serem escritas e pouco espaço livre no universo no meio de tanto desespero por algo profundo. Todos passamos por lá, uns mais tarde que outros: a altura de dar sentido ao percurso. E se o percurso não tem sentido, inventa-se! Há uma altura em que todos querem ser poetas, há uma altura em que temos que deixar o barulho serenar.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

publicado por Tiago Bettencourt às 02:25
link do post | comentar | ver comentários (17) | favorito
|
Terça-feira, 30 de Março de 2010

Somos numero 1!!

Sábado chegámos ao fim da nossa mini tour de seis datas de apresentação do novo álbum. Quero muito agradecer a todos os que vieram encher as salas por onde passámos, pelo carinho e incentivo. É muito importante para nós a vossa atenção e apoio. Todos os nossos concertos dependem da ligação que se cria entre banda e publico e nestes seis espectáculos todos vocês nos ajudaram a perceber por que caminho podemos seguir nos próximos tempos. Obrigado a quem nos acolheu tão bem nos auditórios, a quem nos deu atenção, a quem ouviu e esteve connosco em cima de palco. A todos os que nos vieram dar um abraço de agradecimento no fim. Porto, Aveiro, Idanha a Nova, Santarém, Guimarães e Lisboa, muito obrigado.

Esta semana somos numero 1 no top de vendas. É uma semana feliz.

Espero que estejam a gostar do álbum.

Um grande abraço.

 

 

Tiago

publicado por Tiago Bettencourt às 19:41
link do post | comentar | ver comentários (41) | favorito
|
Quinta-feira, 18 de Março de 2010

Mais explicações ainda...

ora bem: eu também andava meio confuso mas acho que já percebi tudo. Os bilhetes para os concertos nesta altura só vão estar à venda no proprio dia do concerto, no local do concerto, sendo que o bilhete é também o cd o que é bom porque quam ainda não tem fica com um e quem tem fica com outro para dar a algum ente querido.

 

 

Espero que estejam a gostar do album e também do DVD.

 

abraços e obrigado a todos e até amanhã no Sá da Bandeira no Porto!

 

 

PS: ...quando me deixarem parar de dar entrevistas prometo voltar a escrever qualquer coisa de jeito neste blog, porque nesta altura só quero é dormir...

 

 

 

publicado por Tiago Bettencourt às 02:11
link do post | comentar | ver comentários (26) | favorito
|
Segunda-feira, 8 de Março de 2010

Explicações

então é assim meus amigos:

 

Segundo percebi hoje, o album (edição especial com DVD) em pré-venda é 13 euros e tal e para a semana já é 17 e mais uns tal.

Quem compra em pré-venda tem direito ao bilhete do concerto. Os senhores da fnac têm lá uma lista dos concertos com uns codigos e quando se compra escolhe-se o concerto a que se quer ir. Nos dias dos concertos também deve haver bilhetes à porta se não esgotarem sendo que também levam um cd (já sem DVD) mesmo que já o tenham, ou seja, o album é o bilhete.

 

penso que é isto...

 

 

PS: o album está esta semana a passar no myspace... pelo menos um minuto de cada musica só para provocar...

publicado por Tiago Bettencourt às 22:34
link do post | comentar | ver comentários (16) | favorito
|
Sexta-feira, 5 de Março de 2010

NOVO ALBUM já em Pré-venda na Fnac!

Para quê esperar para copiar? isso é batota!

 

Aqui têm todas as informações e umas quantas surpresas.

Gostava de vos ver a todos nos concertos de apresentação.

 

 

http://fnac.pt/pt/Catalog/Detail.aspx?cIndex=1&catalog=discos&categoryN=Música&category=portuguesaPopRock&product=602527355177

 

 

Obrigado e um bom fim de semana!

publicado por Tiago Bettencourt às 15:58
link do post | comentar | ver comentários (13) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

Photobucket


Photobucket
Photobucket

Photobucket

.posts recentes

. QUANDO ME PEDIRAM UM VIDE...

. O senhor do lado

. ...

. "TIAGO NA TOCA e os poeta...

. Sobre a apatia:

. silêncio

. Somos numero 1!!

. Mais explicações ainda...

. Explicações

. NOVO ALBUM já em Pré-vend...

.arquivos

. Abril 2012

. Dezembro 2011

. Janeiro 2011

. Julho 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Outubro 2007

.subscrever feeds