Terça-feira, 13 de Julho de 2010

silêncio

 

 

 

 

 

 

Há uma altura em que deixamos de ser poetas. Não por falta de inspiração ou preguiça, mas por haver palavras a mais a serem escritas e pouco espaço livre no universo no meio de tanto desespero por algo profundo. Todos passamos por lá, uns mais tarde que outros: a altura de dar sentido ao percurso. E se o percurso não tem sentido, inventa-se! Há uma altura em que todos querem ser poetas, há uma altura em que temos que deixar o barulho serenar.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

publicado por Tiago Bettencourt às 02:25
link do post | comentar | favorito
|
17 comentários:
De Bárbara a 16 de Setembro de 2010 às 15:12
Parabéns!
De marta a 16 de Outubro de 2010 às 18:16
estive ontem no teatro sá da bandeira no concerto e simplesmente adorei!

tocas a alma..
De Tatiana Gomes-Vieira a 20 de Outubro de 2010 às 21:14
Sim, mas...que fazer quando, não sendo Poeta (nem tendo a pretensão de o ser, por se ter demasiada consciência daquilo que se é (...)) E ainda assim o "barulho [não] serena"; o desassossego desespera e rasga a espécie de hímen que separa o bom-senso da loucura??!? A sensatez (enfim) desflorada esguicha o veneno corrosivo de que é feita a ilusão!

Uff, desculpa o 'desabafo'...
De Ana Barata a 29 de Novembro de 2010 às 04:19
Nunca deixes de escrever. Fazes-te ouvir nas almas de cada um.
De Rui a 27 de Julho de 2011 às 00:02
Duro de mais para se roer, este blog dá comprimento a todos nós, portugueses, por este mundo fora.

De Anónimo a 3 de Julho de 2014 às 23:13
Caso não haja mais nada, há isto para nós. Todos nos podemos perder, até eu! Estranho seria não suspeitarmos nem um bocadinho que podíamos escrever três linhas um ao outro. Estranho seria não termos sorrido no outro dia, nem cantado. Nada me tira o sorriso que tenho agora. Caso não aconteça mais nada existimos neste texto mal escrito; é inofensivo, são frases deste sorriso que serão de outros sorrisos para lá do que se vê. Não vou dizer mais nada porque não posso. Mas posso sorrir.

Houve um único objectivo, este não é dispensável: Tens que ser o meu exemplo de força, inteligência, humildade e sensibilidade. Nunca mais te percas da única coisa porque vale a pena vivermos: amor e Deus é amor.

Um dia arranjo coragem e digo o resto. Não me apetece muito acabar este texto. Um dia ganho coragem e digo o resto!

Já não sei com o que conto. Nem por que mais lutar. Não faço ideia se " absolutamente nada" será o meu futuro.

O melhor é que posso sorrir.

beijinho

escolhe bem.
sê feliz.
:)

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

Photobucket


Photobucket
Photobucket

Photobucket

.posts recentes

. QUANDO ME PEDIRAM UM VIDE...

. O senhor do lado

. ...

. "TIAGO NA TOCA e os poeta...

. Sobre a apatia:

. silêncio

. Somos numero 1!!

. Mais explicações ainda...

. Explicações

. NOVO ALBUM já em Pré-vend...

.arquivos

. Abril 2012

. Dezembro 2011

. Janeiro 2011

. Julho 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Outubro 2007

.subscrever feeds